Probióticos e prebióticos: entenda a diferença entre eles

2 4.887

Se você curte o tema alimentação saudável é provável que já tenha ouvido falar em probióticos e prebióticos. Apesar de muito parecidas, essas duas palavrinhas se referem a coisas diferentes. Mas, em comum, elas têm o fato de que ajudam – e muito! – a saúde do corpo. Que tal então conhecer um pouco mais sobre cada um deles?

 

O que são os probióticos?

probióticos
Imagem: reprodução / Pinterest

 

Em primeiro lugar, vamos falar sobre os probióticos. De acordo com Adriana Stavro, nutricionista funcional e fitoterapeuta, eles são micro-organismos vivos. “Em quantidades adequadas, eles conferem muitos benefícios à saúde.” 

Isso acontece porque agem dentro do intestino. Ali mora uma colônia gigantesca de bactérias. Juntas, elas formam a microbiota, que tem diversas funções no corpo. Ela ajuda, por exemplo, a proteger contra doenças causadas por agentes nocivos. Entre eles, temos vírus, fungos e outros tipos de bactérias.

A microbiota de cada ser humano é única. Além disso, é suscetível a fatores como gênero, idade, peso e, principalmente, alimentação. Por isso, é essencial consumir a quantidade certa de probióticos, já que isso garante o equilíbrio e a força das bactérias do bem.

 

O que são os prebióticos?

 

Em resumo, os prebióticos são partes de alguns alimentos que o corpo não consegue digerir. Mas não pense que isso é algo ruim. Pelo contrário. Elas acabam servindo de fonte de energia para as bactérias que compõem os probióticos

 

Quais são os benefícios para a saúde?

prebióticos
Imagem: reprodução / Pinterest

 

Os probióticos fornecem uma série de benefícios para a saúde. O mais famoso, sem dúvida, é o fato de regular o intestino. No entanto, existem outras vantagens que esse exército do bem traz para a sua vida. Veja só:

  • Fortalecer o sistema imunológico. Assim, evita doenças como gripes e resfriados.
  • Tratar doenças intestinais.
  • Combater o câncer, principalmente o colorretal.
  • Proteger contra problemas como candidíase e infecção urinária.
  • Reduzir os níveis de colesterol ruim e regular a pressão arterial. e, por isso, cuidar da saúde do coração.
  • Melhorar os sintomas de ansiedade e depressão.
  • Contribuir com autismo, transtorno obsessivo-compulsivo.
  • Dar um gás na memória.
  • Auxiliar a digestão.
  • Aumentar a absorção de nutrientes, como vitamina B, cálcio e ferro, por exemplo.

 

Quais alimentos são probióticos?

 

Existe uma lista bem legal de alimentos que são ricos em probióticos. Entre eles, são famosos o chá fermentado kombucha e o chucrute. Tem ainda a conserva coreana kimchi, feita com acelga, gengibre e pimenta. Por fim, há kefir, picles e, claro, iogurtes. 

 

Quais alimentos são prebióticos?

 

“Os prebióticos estão nas leguminosas, como feijão, ervilhas, lentilha, grão-de-bico”, informa Adriana. Banana, cebola, alcachofra e cereais integrais também contêm essas substâncias.

 

Contraindicações

kefir
Kefir é fonte de probióticos. Imagem: Nina Eleonora (reprodução / Instagram)

 

Segundo Adriana, eles são seguros para a maioria da população. Mas pode haver efeitos alguns colaterais. É assim para pessoas com sistema imune comprometido. Casos de longas hospitalizações ou cirurgias recentes também. “Pessoas nessas condições devem pesar riscos e benefícios antes de consumir.” 

Vale dizer ainda que estão disponíveis como suplementos. Existem versões em cápsulas, líquido e sachês. Mas é importante consultar um profissional de saúde antes de iniciar qualquer suplementação.  

 

Mostrar comentários (2)

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais

Privacy & Cookies Policy