Aromaterapia: óleos essenciais e seus benefícios físicos e emocionais

2 285

A aromaterapia é uma técnica natural utilizada há milhares de anos.  Registros antigos de povos chineses, egípcios, romanos, indianos e árabes já abordavam os óleos essenciais e suas propriedades curativas. Hipócrates, o pai da medicina, fazia referência a plantas medicinais em seus livros e recomendava massagens com os óleos. Mas será que isso funciona?

O que é aromaterapia?

A prática conhecida como aromaterapia tem origem nos povos antigos, mas até hoje não é muito difundida no Brasil. Trata-se de uma terapia alternativa feita com substâncias 100% naturais extraídas de plantas e flores – os OEs (óleos essenciais) – que têm propriedades terapêuticas e trazem benefícios físicos e emocionais.

Esses extratos naturais tiveram origem nas civilizações antigas, mas foi apenas em 1937 que René-Maurice Gattefossé usou o termo aromaterapia em uma de suas publicações. Isso aconteceu após o químico francês descobrir o poder do óleo de lavanda no tratamento de queimaduras. Mas, além de benefícios para a pele, os óleos essenciais são capazes de promover bem-estar emocional, já que, pelo olfato, eles são capazes de chegar a receptores ligados ao estresse e à ansiedade, por exemplo. Eles são capazes, ainda, de colaborar no tratamento de outras doenças.

No entanto, para se beneficiar com o poder curativo da aromaterapia, alguns cuidados devem ser tomados, especialmente quando falamos em qualidade, quantidade e forma de utilização de cada óleo essencial. A eficácia da técnica está diretamente ligada a esses cuidados, já que, em excesso, alguns extratos naturais podem ser prejudiciais ao nosso corpo.

Aromaterapia
Foto: Healthy Academy

O que são e quais os benefícios dos óleos essenciais?

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que os OEs são diferentes das essências, que são sintéticas e podem provocar, inclusive, reações alérgicas. Os óleos essenciais são de origem vegetal, extraídos das plantas, obtidos por meio de técnicas de extração que preservam as propriedades de flores, folhas, raízes, sementes e frutos. Essa extração é feita com todo o cuidado para que a natureza não seja prejudicada. Por isso, (muita) atenção na hora de comprar o seu. Normalmente, essas informações estão disponíveis no rótulo do produto ou, ainda, no site do fabricante. Quanto à quantidade, também é importante estar atento. Isso porque os óleos essenciais utilizados na aromaterapia são altamente concentrados.

Os OEs podem ser utilizados de diversas maneiras, como por meio de inalação, compressa, massagem e até pela ingestão. Existem centenas de óleos, mas você não precisa conhecer e ter todos eles em casa! Para saber a melhor maneira de utilizar cada um deles, a dica é procurar um aromaterapeuta. O profissional vai te ajudar a encontrar os OEs indicados para o seu caso e, ainda, auxiliar quanto à forma de utilizá-los no dia a dia. Com propriedades calmantes, bactericidas, cicatrizantes, antivirais e analgésicas, os óleos essenciais podem ser grandes aliados para a sua saúde física e emocional.

Benefícios óleos essenciais
Foto: Jet Pool

Aromaterapia no dia a dia: óleos essenciais e suas funções

Os óleos essenciais utilizados na aromaterapia têm diferentes propriedades e benefícios físicos e emocionais. Antes de tudo, você precisa saber qual a finalidade do tratamento com os OEs. Tendo isso em mente, preparamos uma lista especial com cinco dos óleos mais utilizados e suas funções básicas. Confira:

Erva-cidreira (Melissa)

Muito conhecida na forma de chás, a erva-cidreira (ou Melissa officinalis) é um óleo essencial que tem muitos benefícios quando utilizado na aromaterapia. Esse OE tem efeitos sobre o sistema nervoso, colabora no combate da ansiedade e da depressão, alivia dores de cabeça, desperta a libido e tem propriedades anti-inflamatórias. Mas atenção: esse óleo precisa ser diluído e não deve ser aplicado sobre a pele antes da exposição ao sol porque pode causar manchas na pele.

Alecrim

Dessa erva, muito conhecida por quem gosta de cozinhar, é extraído um óleo essencial que tem muitos benefícios para a pele e os cabelos oleosos. O OE de alecrim, na aromaterapia, pode ser usado para limpar, combater a caspa, tonificar a pele e estimular o crescimento dos cabelos. Além disso, esse óleo estimula a memória e os sentidos, é revigorante e é capaz, ainda, de aliviar dores de cabeça. Pode ser colocado no xampu, inalado e aplicado sobre a pele, de acordo com a indicação.

Aromaterapia
Foto: Personare

Lavanda

Muito versátil, o OE de lavanda é popularmente um dos mais conhecidos na aromaterapia. Isso porque, além de colaborar para a redução do estresse, da ansiedade e da insônia, por exemplo, ele ajuda na digestão, é bactericida, cicatrizante e regenerador. Está presente em alguns produtos de limpeza, pode ser utilizado como aromatizador de ambientes (diluído em água mineral), em difusores e até diretamente sobre a pele, já que é um óleo essencial considerado seguro para uso tópico sem diluição.

Eucalipto

Na aromaterapia, existem opções até para aliviar problemas respiratórios, como tosse, congestão nasal e inflamações na garganta. O óleo essencial de eucalipto é uma ótima escolha se você sofre com algum desses problemas. Ele é expectorante, fortalece o sistema imunológico, ajuda a diminuir a febre, além de ser um repelente eficiente. No caso de problemas respiratórios, pode ser usado em água quente para inalação. Também serve para o uso em difusores e borrifadores para aromatização.

Rosas

Esse óleo essencial é uma dica especial para as mulheres que sofrem com a TPM ou que já estão entrando na menopausa. Isso porque, quando utilizado na aromaterapia, ele equilibra os hormônios femininos e tem ação tônica sobre o útero. Além disso, o OE de rosas auxilia no tratamento da depressão pós-parto e pode ajudar a regular a menstruação. Conhecido, ainda, por ser afrodisíaco e bom para a pele, esse óleo não deve ser utilizado durante a gravidez. Pode ser inalado, utilizado em aromatizadores e difusores e, ainda, colocado em produtos para a pele, como cremes, por exemplo.