Orixás: conheça a história e as principais divindades cultuadas no Brasil

0 18

Orixás são deuses cultuados pelas diversas religiões africanas, ligados às famílias e aos clãs. Atualmente, no Brasil, são reverenciados apenas 12 orixás, o que é um número pequeno se considerarmos os mais de 200 existentes da África Ocidental.

 

História dos Orixás

Diz a história que estes deuses foram inspirados em homens e mulheres reais, podendo interferir nas forças da natureza. Mais que isso, sendo inspirados em pessoas com defeitos, qualidades e características humanas,  eles não são divindades perfeitas e livres de qualquer erro, ego ou vaidade.

Os orixás têm axés atribuídos a elementos da natureza. Isto é, seus poderes, sua vida e suas energias são sempre fortemente ligados à natureza.

 

Sincretismo

Para falar de orixás e religiões africanas, precisamos também falar sobre o sincretismo. Em primeiro lugar, precisamos entender que o que conhecemos no Brasil como Candomblé é a junção das mais diversas religiões africanas.

Foi na época da escravidão, quando os primeiros africanos de origem iorubá chegaram no Brasil, que se deu o sincretismo. Isso porque, a religião oficial do país era o catolicismo e era proibido qualquer tipo de crença diferente. Pensando nisso, os negros criaram uma associação entre os seus deuses e os santos adorados no nosso país. Dessa maneira, eles puderam continuar a cultuar os seus orixás e exercer sua religião sem o medo de serem perseguidos.

Enquanto no Candomblé são cultuados 12 orixás, a Umbanda cultua estes mesmos 12 e mais três: o preto velho, o caboclo e a pombagira.

Os 12 Orixás do Candomblé

Iemanjá

iemanjá
Imagem: Reprodução / GGN.

 

Primeiramente, temos Iemanjá, considerada a mãe de todos os orixás e das águas. Além disso, é representada com seios fartos, o que simboliza a fertilidade. Por fim, tem uma personalidade tranquila e muito maternal.

Axé (locais de oferta):  pedras do mar, conchas marinhas e vasos de porcelana azuis.

Elemento: água.

Roupas: brancas e azuis.

Oferendas: feijoada, xinxim e inhame.

Sincretismo: Nossa Senhora, Nossa Senhora dos Navegantes ou Nossa Senhora da Glória. Além disso, em lendas nórdicas associa-se à sereias.

Saudação: Odoiá!

Xangô

xangô
Imagem: Reprodução / Pinterest.

 

Em segundo lugar, conhecido como o deus do fogo, do trovão, dos raios e das paixões: Xangô. Além disso, ele é visto como um guerreiro violento, viril, prepotente e justiceiro.

Axé (locais de oferta):  cachoeiras e pedreiras.

Elemento: fogo.

Roupas:  brancas e vermelhas.

Oferendas: amalá (quiabo com camarão seco e dendê)

Sincretismo: São Jerônimo, Santo Antônio, São Pedro, São João Batista, São José e São Francisco de Assis.

Saudação: Kâo Kabicilê!

Iansã

iansã
Imagem: Reprodução / Jornal O Dia.

 

Esposa de Xangô, também é a senhora dos raios e das tempestades. Além disso, conhece-se Iansã também como a deusa dos ventos, das tempestades. Por isso, recomenda-se um trabalho invocando essa orixá em momentos que precisam de mais movimento e dinamismo na vida.

Axé (locais de oferta):  canavial, bambuzal e pedreiras.

Elemento: fogo.

Roupas:  vermelhas.

Oferendas: milho branco, arroz, feijão e acarajé

Sincretismo: Santa Bárbara.

Saudação: Olha o Tempo, minha mãe!

Oxóssi

oxóssi
Imagem: Reprodução / Pinterest.

 

Representa o conhecimento, a caça e a fartura. Além disso, é o orixá filho de Iemanjá, ao lado de Ogun e Exú. Mais do que isso, é conhecido como o patrono do Candomblé brasileiro.

Axé (locais de oferta):  matas e florestas.

Elemento: terra.

Roupas:  azul ou verde-claro.

Oferendas: peixe, milho branco e amarelo.

Sincretismo: São Sebastião.

Saudação: Okê Arô!

Ogum

ogum
Imagem: Reprodução / Pinterest.

 

Conhecido como o deus do fogo e da tecnologia. Enquanto no Brasil é considerado o deus guerreiro, na África é visto como o protetor dos caçadores. Além disso, é visto como tímido e vingativo.

Axé (locais de oferta):  matas e rios.

Elemento: terra.

Roupas:  azul (com verde-escuro, vermelho ou amarelo).

Oferendas: farofa com dendê, feijão, inhame, água, mel e aguardente.

Sincretismo: Santo Antônio e São Jorge.

Saudação: Loci,loci, logun!

Oxum

oxum
Imagem: Reprodução / Simplesmente Umbanda.

 

Conhecida como a deusa dos jogos de búzios, Oxum também é o orixá das águas doces, do ouro e da fecundidade. Além disso, sabe-se que sua personalidade é maternal e tranquila.

Axé (locais de oferta):  fontes de água e cachoeiras.

Elemento: água.

Roupas:  amarelo-ouro.

Oferendas: milho branco, xinxim de galinha, ovos, peixes de água doce.

Sincretismo: Nossa Senhora da Conceição, Nossa Senhora Aparecida e Nossa Senhora das Candeias.

Saudação: Ora yeyê ó!

Exú

exú
Imagem: Reprodução / Pinterest.

Diferentemente do que muitos pensam, Exú não é um Orixá do mal e não pode ser relacionado ao diabo cristão. Pelo que se sabe, é o mensageiro ente os homens e os deuses. Além disso, é o guardião das ruas e encruzilhadas.

Axé (locais de oferta):  encruzilhadas de estradas, areia, terra e cemitério.

Elemento: fogo.

Roupas:  vermelhas e pretas.

Oferendas: farofa com dendê, feijão, inhame, água, mel e aguardente

Sincretismo: Santo Antônio.

Saudação: Laroyê Exu, Exu é Mojubá!

Omulu (ou Obaluiaiê)

omolu
Imagem: Reprodução / Iquilibrio.

 

Orixá da cura, conhece-se Omolu como o médico dos pobres também. Além disso, representa os mortos e establidade.

Axé (locais de oferta):  cemitério.

Elemento: terra.

Roupas:  vermelho e preto, cobertos de palha.

Oferendas: pipoca, feijão preto, farofa e milho – tudo regado a dendê.

Sincretismo: São Lázaro e São Roque.

Saudação: Atotô, meu Pai!

Nanã

nanã
Imagem: Reprodução / TVR USM.

 

Já que é a orixá mais antiga, Nanã representa a morte, a reencarnação, os mistérios e as memórias. Além disso, protege os mais velhos e enfermos. Por isso, recebe grande respeito!

Axé (locais de oferta): águas calmas e paradas, lodo e pântanos. 

Elemento: água e terra

Roupas:  branco e azul

Oferendas: milho branco, arroz, feijão, mel e dendê

Sincretismo: Sant’Ana

Saudação: Salubá!

Ossain

ossaim
Imagem: Reprodução / Centro Cultural Raio de Luz.

 

Orixá que representa a cura. Isso porque, conhece muito bem as ervas medicinais e seus usos e como invocar seus poderes.

Axé (locais de oferta):  matas.

Elemento: terra.

Roupas:  brancas e verde-claras.

Oferendas: feijão, arroz, milho vermelho e farofa de dendê.

Sincretismo: São Roque, São Benedito. Além disso, também pode ser confundido com a lenda indígena do Caipora.

Saudação: Eu Eu Ewasá!

Oxumaré

oxumaré
Imagem: Reprodução / Pinterest.

 

Enquanto tem natureza feminina, também tem grande influência masculina. Além disso, é o orixá da chuva e do arco-íris. Por fim, rege transformações, sexualidade, fartura e continuidade.

Axé (locais de oferta):  nascentes, poços de água, mata e florestas.

Elemento: água.

Roupas:  azul-claro e verde-claro.

Oferendas: milho branco, acarajé, coco, mel, inhame e feijão com ovos.

Sincretismo: São Bartolomeu.

Saudação: Arrôboboi, meu Pai!

Oxalá

oxalá
Imagem: Reprodução / Mensagens com Amor.

 

Por fim, mas não menos importante – aliás, super importante! – temos Oxalá, o orixá da criação. É o deus criador, o grande pai, com personalidade equilibrada e tolerante. Além disso, é cheio de compaixão, perdão e fé.

Axé (locais de oferta):  montanhas e templos.

Elemento: ar.

Roupas:  brancas.

Oferendas: milho branco, xinxim de galinha, ovos e peixes de água doce.

Sincretismo: Jesus Cristo.

Saudação: Epá Babá!

Siga-nos no 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais

Privacy & Cookies Policy