Chapéu Panamá: história por trás do ícone

0 1.162

O chapéu Panamá é verdadeiramente uma beleza atemporal no mundo dos chapéus. Muito além de um acessório à beira-mar, o modelo é um dos estilos mais funcionais que você pode encontrar no mercado. Ou seja, você pode usar este chapéu para a piscina, parque ou em um passeio mais boêmio. Tamanha versatilidade marcam esse clássico, grande nas opções e maior ainda quando falamos o que há por trás de seu nome. Seja como for, vamos contar aqui a história completa deste ícone da moda.

Chapéu Panamá Malu Pires e sua história completa.

O modelo Chapéu Panamá é cheio de histórias.

História do Chapéu Panamá

Seu país de origem é o Equador, contudo, existe uma boa explicação para essa confusão na história. As províncias costeiras de Guayas e Manabi começaram a tecer os chapéus de palha em 1630. A verdadeira origem dos chapéus do Panamá remonta a uma cidade chamada Montecristi (da região de Manabi). Eles eram mais comumente chamados de chapéus “jipijapa”, “toquilla” ou “montecristi” (as duas últimas ainda são usadas hoje em dia).

Na história, esses chapéus ficaram conhecidos como “chapéus do Panamá” devido à sua exportação maciça do Equador para o Panamá durante o século XIX, promovida por Manuel Alfaro y Gonzalez e sua esposa durante a construção do Canal do Panamá.
Diz a lenda que Manuel Alfaro y Gonzalez forneceu o chapéu que Theodore Roosevelt foi fotografado usando durante a inauguração do Canal do Panamá. Ou seja, o modelo foi exportado para todo o mundo do Panamá, levando as pessoas a associá-los à sua origem de remessa, e não à sua fabricação.

Theodore Roosevelt e seu chapéu Panamá.
Theodore Roosevelt na construção do canal do Panamá

Entretanto, o momento mais definitivo da história dos chapéus do Panamá tenha ocorrido quando os chapéus do Panamá foram exibidos na Feira Mundial de 1855 em Paris. Naquela época, ninguém sabia com certeza o país que fabricava o modelo, e esse evento teria sido a oportunidade perfeita para esclarecer o equívoco de uma vez por todas. Contudo, o país do Equador não foi mencionado no catálogo da Feira Mundial.

Assim, quando as pessoas começaram a perceber que os chapéus eram feitos no Equador, e não no Panamá, já era tarde demais. Inegavelmente, o nome já havia se tornado familiar demais para mudar.

 

Como é feito o Chapéu Panamá

Os autênticos chapéus Panamá têm uma história rica e fascinante. Tão únicos quanto os artesãos que criam esses chapéus feitos à mão e elegantes, cada chapéu Panamá combina os recursos naturais do Equador com uma longa tradição da cultura sul-americana.

A confecção de um chapéu Panamá de alta qualidade é um processo complexo e trabalhoso, desse modo, uma única unidade pode levar até seis meses para ser concluída. Para tanto, eles são criados a partir de tiras finas de palha de toquilla, colhidas de palmeiras que crescem ao longo da costa equatoriana.

O chapéu panamá tem uma história rica.
O chapéu Panamá é tecido à mão.

De fato, existem duas etapas principais para que seja feito um chapéu Panamá: tecer e depois trançados. Depois que a tecelagem cria o ‘‘material’ do qual o chapéu é feito, a trança é o que molda o chapéu em um determinado estilo.Meticulosamente tecidos à mão, esses chapéus são considerados antes de mais nada um símbolo nacional e tesouros no Equador. Por isso, eles foram reconhecidos pela UNESCO como patrimônio cultural intangível do mundo em 2012.

Um chapéu feminino atemporal

O estilo de um chapéu Panamá é determinado por duas características principais: a forma e o tamanho da aba e da coroa. Embora haja inúmeras variações de chapéus disponíveis, aqui estão alguns dos perfis de chapéu mais clássicos que você deve considerar.
Esses chapéus se tornaram famosos graças à incrível qualidade de sua palha e leveza, o que os torna confortáveis e fáceis de usar. Os panamá brancos e de cores naturais com faixa preta são mais clássicos, mas as opção vão além do tradicional. Hoje em dia, é possível tingir o canudo com qualquer tonalidade obtida a partir de pigmentos naturais.

Chapéu Panamá com pigmentos naturais.

Com a palha de alta qualidade, este chapéu é leve e respirável. O tecido apresenta uma folga suficiente para garantir que o ar possa fluir livremente, mantendo a cabeça fresca e seca o tempo todo. Além disso, ele não só possui um forro leve no interior, como ainda impede que a testa se esfregue contra o corpo do chapéu afim de evitar qualquer irritação. Ademais, a fita é bem colada no chapéu e é removível, se por acaso queira alterar a aparência.

“Sem dúvida é o mais adequado para o clima do Brasil já que não é um chapéu quente. Além disso, o modelo é perfeito para homens e mulheres”, explica Malu Pires, dona da marca homônima de chapéus.”É uma palha fina que deixa transpirar. Para andar no sol, é o mais adequado”, indica a empresária, cuja marca produz chapéus a partir de palhas de coqueiros brasileiros.

Compre seu Chapéu Panamá feminino

Acima de tudo, o modelo se mantém como um ícone de estilo, mas também como um sinônimo de conforto. Afinal, nada pior que usar um acessório que incomoda. Por essa razão, ele também é macio e suave o suficiente para ser dobrado e embalado em uma pequena bolsa para facilitar o armazenamento e o transporte. O chapéu é bem feito com um acabamento requintado e costura elegante, visto que não há fios soltos e sua construção é resistente. Depois de dobrar o chapéu e retirá-lo, ele retornará à sua forma original com poucas ou nenhuma rugas.

Agora que você já conhece a história e deseja comprar um Chapéu estilo Panamá de qualidade, saiba que está no lugar certo! Acesse www.malupires.com.br ou pelo instagram @maluchapeus. Seja como for, certamente você encontrará o modelo ideal para o seu lifestyle.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Presumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais

Privacy & Cookies Policy